quinta-feira, 3 de setembro de 2015




Isto é tudo o que eu preciso lembrar todos os dias para não me tornar um idiota...



jbJudith Butler, uma das mais radicais feministas estará no Brasil entre 4 e 9 de setembro, para disseminar mais intensamente a ideologia de gênero, em eventos promovidos por universidades federais e patrocinados pelo governo do PT.

A Agenda de Gênero avança no Brasil em grande proporção. Uma rede de OnGs e demais instituições já atuam há vários anos, inoculando na sociedade o conteúdo de subversão da mais radical e inumana ideologia. O "feminismo de gênero", termo cunhado por Christina Hoff Sommers, vai sendo disseminado por meio de simpósios, encontros, mesas redondas, trabalhos acadêmicos em profusão, propagandeados pelos meios de comunicação, de todas as formas, em apologia às mais estranhas experiências de anarquismo sexual, visando a subversão da identidade do ser humano como pessoa. O efeito de tal ideologia visa a dissolução de todas as formas de limites ao desejo humano, e a corrosão de todas as instituições: a começar pela família, e tudo mais, daí seu propósito devastador. Judith Butler advoga que as práticas institucionais "não devem tornar-se normas restritivas para uma política radical". Por isso o corpo humano, destituído de sua identidade natural, passa a ser instrumentalizado por uma ideologia declaradamente subversiva e pervertida, que o utiliza como laboratório do anarquismo que propõe para o corpo social.

Uma amostra de tal conteúdo será apresentada em dois eventos, no Brasil, realizados com a presença de Judith Butler, autora do livro "O problema do gênero: o feminismo e a subversão da identidade", uma das mais ativistas feministas a difundir, por meio de muitas OnGs, a ideologia de gênero. Sua obra - como explica Oscar Alzamora Revoredo - é utilizada "já há vários anos como livro de texto em diversos programas de estudos femininos de prestigiosas universidades norte-americanas, onde a perspectiva de gênero está conhecendo uma ampla promoção". O Núcleo de Estudos de Gênero Pagu anuncia em seu site o Seminário Queer, nos dias 9 e 10 de setembro, no Sesc Vila Mariana, em São Paulo, apresentando Butler como filósofa e "uma das principais referências sobre o tema no mundo". Pouco antes, entre 4 e 7 de setembro, Butler também participará em Salvador (BA), do evento "II Desfazendo Gênero - Ativismos das Dissidências Sexuais e de Gênero", promovido por várias universidades federais e patrocinado pelo Governo do Estado da Bahia, Ministério da Educação, OAB Bahia, CNPQ, Secretaria de Política das Mulheres e outros parceiros do setor público. Richard Miskolci explica que a proposta do evento é "tomar nossa cultura como objeto de reflexão, o que - em uma perspectiva queer - não pode ser feito sem a subversão das identidades sexuais. A superação das fronteiras sexuais e de gênero aponta para a criação de uma nova forma de cidadania não-heterocentrada e além do binarismo de gênero atualmente imposto".

A Agenda de Gênero está mais avançada do que possamos imaginar. Além da incessante propaganda nos meios de comunicação, de todas as formas (em artigos, filmes, novelas, documentários, em programas de auditório, telejornais, etc.), há a ação integrada de OnGs e órgãos do poder público, aparelhados para tais fins, com objetivos de reengenharia social traçados pelas fundações internacionais e agências da ONU, entre outras instâncias de fora. Por isso a imprensa pauta, todos os dias, nas edições dos noticiários, para que as informações e notícias sejam cada vez mais canalizadas para, lentamente, a população ir aceitando a agenda, que é imposta por tais forças de poder e controle social. Não é a toa que a abordagem dada às notícias acabam sempre privilegiando o enfoque ideológico de desconstrução da realidade, da autoridade, da tradição, da moral objetiva, da lei natural, etc. Nesse sentido, temas, por exemplo, que até pouco tempo seriam escandalosos (como a inserção de gays no serviço militar) se tornam corriqueiros na grande mídia e no cotidiano dos espaços de formação de opinião na sociedade. Daí os questionamentos proliferam por toda a parte, como defende Butler, questionando "os valores do militarismo", "da própria conjugalidade" e tudo mais, como "objetivo final de qualquer movimento de minorias de sexo e gênero - que verdadeiramente pensa analiticamente sobre as estruturas sociais existentes e insiste em produzir novas".

Parte dessa agenda está não apenas a desconstrução da família e da cultura, mas também da religião, chamando de fundamentalista qualquer um que defenda os princípios e valores da família, da maternidade, da sacralidade do matrimônio, da fidelidade conjugal, da heterossexualidade, etc. Chega inclusive a defender um concepção de religião apenas como fenômeno sociológico, como afirma a "teóloga feminista de gênero" Elizabeth Schussler Fiorenza: "Os textos bíblicos não são revelação de inspiração verbal nem princípios doutrinais, mas formulações histórica". E "analogamente, a teoria feminista insiste no fato que todos os textos são fruto de uma cultura e de uma história patriarcal androcêntrica". Descontruindo a família, a educação, a cultura e a religião, as feministas de gênero descontroem a própria realidade humana, no afã de uma utopia irreal e surreal. Jorge Scala lembra ainda que as feministas de gênero "reivindicam uma autonomia absoluta para 'construir' qualquer 'tipo de família' que ocorra à sua imaginação ou capricho". Por isso a ideologia de gênero leva ao escapismo da realidade, fazendo do corpo expressão de todas as fantasias e caprichos, vulnerabilizando, portanto, a pessoa humana a graus de violência inimagináveis. Basta ver com que facilidade muitos se deixam seduzir pela falácia de tal fantasia e aceitam expor seus corpos a toda sorte de experiências sexuais, sem moralidade alguma para vivenciar as mais extremas formas de prazer, com as práticas do homossexualismo, amor livre, incesto, pedofilia, zoofilia e tantas outras perversões sexuais. E tudo isso vivido não apenas na privacidade, mas com exposição pública.

A ideologia de gênero, pelos seus efeitos corrosivos, é expressão sombria da "cultura da morte", denunciada por São João Paulo II, há 20 anos, na Evangelium Vitae. É certo que ela fracassará, como toda ideologia que se volta contra a realidade do ser humano. Mas até soçobrar terá feito suas vítimas, muitas delas já perecem em seus danos, daí que é preciso, enquanto cristãos, estarmos mais vigilantes e atuantes, no combate a esta ideologia, para não sermos vítimas de sua armadilha e perigo. Urge portanto reagirmos e afirmarmos a cultura da vida, em contraposição a esta avalanche de devastação, que Judith Butler vem disseminar, mais intensamente em nosso País.


Hermes Rodrigues Nery é presidente da Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família, especialista em Bioética (pela PUC-RJ).

E-mail: hrneryprovida@uol.com.br


Share

Fonte: Mídia Sem Máscara

SOBRE O AUTOR

João Luiz Mauad

João Luiz Mauad

João Luiz Mauad é administrador de empresas formado pela FGV-RJ, profissional liberal (consultor de empresas) e diretor do Instituto Liberal. Escreve para vários periódicos como os jornais O Globo, Zero Hora e Gazeta do Povo.
Milhões, bilhões, trilhões: o desastre do socialismo venezuelano se intensifica
por , segunda-feira, 31 de agosto de 2015

 

Venezuelans-queue-for-foo-008.jpgO quase completo socialismo que impera na Venezuela voltou ao noticiário. 
Durante os últimos dois anos, a crise econômica do país vem se desenrolando a um ritmo crescentemente desastroso: à medida que a moeda foi se depreciando, a carestia foi se acelerando de maneira galopante.  Consequentemente, o governo decretou um abrangente controle de preços, o que fez com que a escassez de bens — inclusive alimentos e remédios — se intensificasse.  A escassez, por conseguinte, empurrou as pessoas para o mercado negro, o que elevou ainda mais os preços dos bens essenciais.
A lista de itens básicos ausente das prateleiras dos supermercados, que começou com papel higiênico — o que levou o governo a ocupar uma fábrica de papel higiênico, com o uso maciço de força militar, para garantir uma "distribuição justa" dos estoques disponíveis —, foi gradualmente se expandindo para abranger tambémabsorventes, xampu, farinha, açúcar, detergente, óleo de cozinhar, pilhas, baterias e caixões.
E, por causa do aparelhamento e da subsequente destruição da estatal petrolífera PDVSA, bem como do racionamento de preços da gasolina, a Venezuela, que é o quinto maior produtor de petróleo do mundo, teve de se tornar importadora de petróleo (outrora o principal item de exportação do país).
Venezuela-food-line-Reuters.pngA escassez generalizada obrigou os venezuelanos a, rotineiramente, terem de pedir permissão para faltar ao trabalho e assim poderem ficar o dia inteiro em longas filas nas portas dos poucos supermercados que ainda têm alguns produtos à venda. 
Além daqueles que se ausentam do trabalho, também há aqueles que acordam de madrugada para ir para as filas.  E há aqueles que vão para as filas no horário do almoço.  Os venezuelanos estão o tempo todo enviando mensagens de texto no celular para dar informações sobre filas.  Eles se transformaram em especialistas em filas.
Nessa reportagem, um jornalista da BBC tenta comprar apenas 8 itens básicos na Venezuela.  Ele só consegue comprar 3, tendo de recorrer ao mercado negro para conseguir o resto; e só no dia seguinte.
A mais recente estimativa — mostrada no vídeo acima — é a de que um venezuelano gasta, em média, 8 horas por semana na fila de um supermercado para conseguir comprar itens essenciais.
Uma pesquisa do Instituto Cendas, que é venezuelano, revelou que mais de um terço dos gêneros alimentícios não mais são encontrados nas prateleiras de absolutamente nenhum supermercado.  Adicionalmente, os vegetais encarecem a um ritmo de 32% ao mês, as carnes sobem 22% também mensalmente, e o feijão dispara 130%, também a cada mês.  Consequentemente, o prato básico do venezuelano, contendo arroz e feijão, se tornou um luxo.
No entanto, o que está no noticiário atualmente — e que é a raiz de todo o desarranjo da economia venezuelana — é a moeda da Venezuela, o bolívar.  O valor do bolívar está desabando feito uma pedra.  O gráfico a seguir, elaborado pelo professor Steve Hanke, da Johns Hopkins University, mostra a evolução da taxa de câmbio do bolívar em relação ao dólar americano.  A linha vermelha é a taxa de câmbio oficial declarada pelo governo; a linha azul é a taxa de câmbio no mercado paralelo.
venezuelan-bolivar.jpg
Taxa de câmbio bolívar/dólar no mercado paralelo (linha azul) versus taxa de câmbio oficial declarada pelo governo (linha vermelha)
Vale ressaltar que, como mostra o gráfico, em agosto do ano passado, um dólar custava 100 bolívares no mercado paralelo.  Em maio desse ano, o bolívar já havia desabado acentuadamente, com um dólar valendo 300 bolívares.  Agora em agosto, o dólar já está se aproximando dos 700 bolívares. 
Isso implica uma desvalorização da moeda nacional de 86% em apenas um ano.
O Banco Central da Venezuela, obviamente, parou de divulgar os valores oficiais da inflação ainda em dezembro de 2014, quando a cifra calculada pelo próprio governo havia chegado a 68%.
Essa desvalorização do bolívar está fazendo a carestia disparar na Venezuela.  Para economias altamente estatizadas, a desvalorização de uma moeda no mercado paralelo — que é o único verdadeiro livre mercado operando nessas economias — é o mensurador que melhor estima o real valor dessa moeda.  O princípio da paridade do poder de compra (PPP), o qual vincula alterações na taxa de câmbio a alterações nos preços, permite estimativas confiáveis para a inflação de preços.
O gráfico a seguir, também do professor Hanke, mostra a evolução da verdadeira inflação de preços que está ocorrendo na Venezuela:
venezuelan-inflation.jpg
Inflação de preços oficial divulgada pelo governo (linha vermelha) versus inflação de preços implícita (linha azul) acumuladas em 12 meses.
Ou seja, a atual inflação de preços na Venezuela — a real, e não aquela divulgada pelo governo — ultrapassou o estonteante valor de 800% ao ano, o que mostra que o país está em hiperinflação.
Essa combinação de hiperinflação e rígido controle de preços — recurso favorito dos governos populistas — está gerando o supracitado desabastecimento generalizado, esvaziando as prateleiras dos supermercados do país
Com uma moeda inconversível e que ninguém quer portar — nenhum estrangeiro está disposto a trocar sua moeda pelo bolívar, pois não há investimentos atrativos na Venezuela —, nenhum empreendedor na Venezuela está tendo acesso a dólares.
E, sem acesso a dólares, todas as importações, mesmo a de produtos básicos e essenciais, como remédios, estão praticamente paralisadas.
O suprimento de remédios está acabando. Salas de cirurgia estão fechadas há meses, não obstante centenas de pacientes estejam na fila de espera para cirurgias.  Algumas clínicas privadas são capazes de manter a sala de cirurgias funcionando porque conseguem contrabandear dos EUA, sem que o governo venezuelano possa interceptar, remédios essenciais.
Com a falta de remédios, os venezuelanos estão tendo, humilhantemente, de recorrer a medicamentos para cachorro.  Como consequência, os próprios cachorros também começaram a sofrer, já que esse aumento da demanda por medicamentos veterinários está diminuindo a oferta disponível de remédios para serem usados nos próprios cachorros.
Está havendo também uma escassez de contraceptivos, o que vem aumentando a taxa de gravidezes indesejadasno país.  Para piorar, também há escassez de fraldas e leite, itens essenciais para os recém-nascidos.
A revolta dessa venezuelana na fila do supermercado fala por si só:
A inconversibilidade da moeda venezuelana está causando até mesmo o desaparecimento da cerveja, uma vez que os produtores nacionais não mais estão conseguindo importar a matéria-prima necessária — malte e cevada — para a fabricação da bebida, pois não conseguem trocar bolívares por dólares.
A única entidade na Venezuela que ainda tem dólares é o governo, e é ele quem decide qual empresa pode receber dólares para importar bens.  No momento, por causa de sua escassez — e da acelerada perda de reservas internacionais, causadas justamente pela necessidade de importar itens básicos — a ração de dólares está suspensa.
Essa situação de penúria gerada por uma moeda inconversível e por controles de capital é fatal para todo o bem-estar de uma nação.  O economista austríaco Friedrich Hayek já havia alertado para isso.  Em seu livro O Caminho da Servidão, lançado no longínquo ano de 1944, ele alertou que:
Não há melhor exemplo prático de um abrangente controle econômico sobre todos os outros aspectos da vida do que na área do câmbio.
À primeira vista, nada parece afetar menos a vida privada do que o controle estatal das transações em moeda estrangeira, e a maior parte das pessoas olha com total indiferença para a introdução dessa política. No entanto, a experiência de quase todos os países europeus ensinou-nos a considerar essa medida um passo decisivo no caminho do totalitarismo e da supressão da liberdade individual.
Ela constitui, com efeito, a sujeição completa do indivíduo à tirania do estado, a eliminação definitiva de todos os meios de fuga — não somente para os ricos, mas para todos.
Quando o indivíduo já não tem liberdade nem de viajar nem de comprar itens estrangeiros básicos, como livros e revistas, e quando todos os meios de contato com o exterior se limitam aos aprovados [pelo governo], o controle efetivo [sobre a população] torna-se muito maior do que o exercido por qualquer governo absolutista dos séculos XVII e XVIII.
Já Ludwig von Mises, em seu livro A Teoria da Moeda e do Crédito, publicado originalmente em 1912, já alertava:
É impossível compreender totalmente a ideia de uma moeda forte sem antes entender que a própria ideia de moeda forte foi criada para ser um instrumento para a proteção das liberdades civis contra investidas despóticas de governos.  Ideologicamente, a moeda forte pertence à mesma classe das Constituições e da Declaração dos Direitos dos indivíduos.
ke2Ec47.jpgRecentemente, uma foto de um venezuelano utilizando uma cédula de 2 bolívares como guardanapo para segurar uma empanada tornou-se viral na internet.  E o motivo é a perfeita ilustração do que Mises disse acima: se a moeda é fraca, ela perde toda a sua função de meio de troca, e passa a ser utilizada em aplicações mais cotidianas.
Uma cédula de 2 bolívares vale muito menos que US$ 0,01 (na prática, vale um terço de um cent, ou US$ 0,003).  Já um pacote de guardanapos custa, atualmente, de 500 a 600 bolívares. 
Essa foto é pavorosamente parecida com as fotos oriundas do episódio da hiperinflação alemã na época da República de Weimar, em que o índice da inflação de preços mensal saltou de 100% em julho de 1922 para 29.500% em novembro de 1923. A cédula de 100 trilhões de marcos foi criada e as impressoras do Reichsbank passaram a imprimir dinheiro ao ritmo recorde de 74 trilhões de cédulas de marcos por semana.
Como consequência dessa inflação de dinheiro, os alemães passaram a utilizar as cédulas como lenha para fogueiras e para fogões.
the-truth-about-weimar-the-hyperinflation-horror-story-that-still-haunts-europe-today.jpgHistory-mystery-907-sm.jpg
Por ora, podemos apenas especular a extensão do estrago que esse episódio trará à poupança dos venezuelanos.  À medida que as notícias sobre a economia do país vão sendo reveladas, é inevitável não ter aquela sensação de horror. 
Essencialmente, todos os governos do mundo controlam suas moedas da mesma maneira que o governo Maduro.  Varia apenas a intensidade com que cada governo destrói o poder de compra de suas respectivas moedas.  Ao redor de todo o mundo, o que temos no âmbito monetário é socialismo puro, de modo que todas as moedas nacionais estão sujeitas unicamente ao poder político. 
É inevitável imaginar (e temer) quantos outros desastres econômicos terão de ocorrer até que se torne claro que o socialismo — de todos os tipos, tamanhos e graus de intensidade — é impraticávelintolerável eindesculpável.
_____________________________________
Carmen Dorobat, pós-doutoranda em economia na Universidade de Angers e professora na Bucharest Academy of Economic Studies.
Leandro Roque, editor e tradutor do site do Instituto Ludwig von Mises Brasil. 

SOBRE O AUTOR

Ivan Dauchas

Ivan Dauchas

Ivan Dauchas é economista formado pela Universidade de São Paulo e professor de Economia Política e História Econômica.
Fonte: Instituto Liberal

SOBRE O AUTOR

Instituto Liberal

Instituto Liberal

O Instituto Liberal é uma instituição sem fins lucrativos voltada para a pesquisa, produção e divulgação de idéias, teorias e conceitos que revelam as vantagens de uma sociedade organizada com base em uma ordem liberal.