segunda-feira, 16 de julho de 2018

Os Pingos Nos Is - 16/07/18


IGNORAR O PASSADO HISTÓRICO GERA CONFLITOS E INCERTEZAS

                Aquele que assim considerar as coisas em suas primeiras manifestações e origens, quer se trate de um Estado ou de qualquer outra coisa, terá delas a visão mais clara.
ARISTÓTELES

por Armando Soares

Resultado de imagem para imperador d. pedro ii do brasil
Probidade , decência, cultura, competência, algumas das características de Dom Pedro II que tornaram seu governo o mais admirado da história do Brasil.


Ninguém, nenhum povo por mais deficiente intelectualmente que seja pode ignorar algum conhecimento do seu passado. É impossível qualquer pessoa ter compreensão de direitos e deveres, sem conhecer a sua história. O passado é a fonte da identidade de qualquer pessoa, de bandidos, de políticos, de governantes, de comunistas, de socialistas, de devassos, de ladrões, de corruptos, de juízes, de professores, de advogados, de todas as pessoas e do Estado. A História além de estimular a inteligência, proporciona o vasto conjunto de informações indispensáveis a um amplo quadro de decisões de interesse público. Sem História um povo sofre amnésia social, tão trágica quanto a perda do passado pessoal.

A geração que governa o Brasil após o governo militar é uma geração que herdou uma prática política do “vale tudo”, do “rouba mas faz”, do político esperto que usa a inteligência para roubar, da política do golpe, do coronelismo, do fascismo, do hitlerismo, da ditadura, do cangaço, praticas nocivas praticadas em várias gerações, consolidando a roubalheira, o uso indevido do Estado para negociatas e o completo desrespeito ao Estado de Direito. Práticas nocivas que impediram que sucessivas gerações vivessem suas vidas com segurança, com uma cultura liberta dos ensinamentos comunistas retrógado de Paulo Freire; práticas que destruíram coisas admiráveis, paz, liberdade, lei, civilidade, espírito público, segurança de propriedade e da vida familiar. Práticas que fizeram que várias gerações esquecessem do único governo que merece ser citado e respeitado pela competência e honestidade, o governo monárquico de Pedro II. A maior parte da atual geração brasileira perdeu o rumo, ficou entregue nas mãos de lideranças bandidas sem capacidade para se livrar dessa prisão, desse cenário podre, e agora precisam com a maior urgência governantes honrados e competentes para livrá-los dessa prisão.

Certamente não foi a minha geração, nem a dos meus pais e de gerações mais antigas que isoladamente sedimentaram nossos bons costumes e tradições, elas decorreram de um somatório de gerações que teve início com os portugueses. Portanto, nossas tradições e costumes vieram de tradições e costumes que se sedimentaram por vários séculos com os europeus. Dom Pedro I e Dom Pedro II, principalmente Dom Pedro II foi o grande responsável pelos bons costumes adotados no Brasil enriquecidos com a presença do governo monárquico. A degeneração dos bons costumes teve início com a república, gerada de um estrupo indecente, vergonhoso e traiçoeiro de brasileiros contaminados pela política cavernosa, traidora que foi aprimorada e mais prostituída no tempo pela péssima transmissão de conhecimentos divulgados por Paulo Freire, ideologia que objetivava destruir os bons costumes e tradições, obstáculo a doutrinação comunista, socialista e fascista, ações que infelizmente tiveram acolhimento em razão do crescimento da pobreza material, educacional e moral oriundas da política e da governança podre.

A visão histórica ensinada nas escolas foi criada para destruir o valor do regime monárquico até os dias atuais. A história contada é a de um Dom Pedro I autoritário e despótico que teria entrado em conflito com a liberal e democrática Assembleia, fechando esta última contra a vontade do povo brasileiro e acabando por outorgar (impor) uma Constituição de cunho absolutista sobre o país. Trata-se de uma invenção posterior dos republicanos para desmoralizar o passado monárquico do Brasil. A realidade dos fatos foi completamente diversa.

Dom Pedro I em discurso para deputados reunidos, deixou clara a razão de ter afirmado durante sua coroação no final do ano anterior que a Constituição deveria ser digna do Brasil e de si (o que não acontece com a atual Constituição).

Resultado de imagem para dom pedro I
De arma em punho, Dom Pedro I defendeu a integridade 
e a liberdade do Brasil. 


Como Imperador Constitucional, e mui especialmente como Defensor Perpétuo deste Império, Dom Pedro I disse ao povo: com a minha espada defenderei a Pátria, Nação e a Constituição, se fosse digna do Brasil e de mim…, uma Constituição em que os três poderes sejam bem divididos… uma Constituição que, pondo barreiras inacessíveis ao despotismo quer real, aristocrático, quer democrático, afugente a anarquia e plante a árvore da liberdade a cuja sombra deve crescer a união, tranquilidade e independência deste Império, que será o assombro do mundo novo e velho. Todas as Constituições, que à maneira de 1791 e 1792 têm estabelecido suas bases, e se têm querido organizar, a experiência nos tem mostrado que são totalmente teóricas e metafísicas, e por isso inexequíveis: assim o prova, a França, a Espanha e, ultimamente, Portugal. Elas não tem feito, como deviam, a felicidade geral, mas sim, depois de uma licenciosa liberdade, vemos que em uns países já aparecem, e em outros ainda não tarda a aparecer, o despotismo em um, depois de ter sido exercido por muitos, sendo consequência necessária ficarem os povos reduzidos à triste situação de presenciarem e sofrerem todos os horrores da anarquia.

Após a sua experiência com os perigos e obstáculos de governo, as figuras políticas que surgiram na década de 1830 olharam para o imperador Dom Pedro II, como provedor de uma fonte fundamental de autoridade essencial tanto para governar quanto para a sobrevivência nacional. Estes velhos estadistas morreram ou se retiraram da vida pública até que, nos anos 1880, eles haviam sido quase todos substituídos por uma geração mais nova de políticos que não haviam experienciado os primeiros anos do reinado de Pedro II, quando perigos internos e externos ameaçaram a existência da nação. Eles haviam apenas conhecido uma administração estável e prosperidade. Em grande contraste com aqueles da era anterior, a nova geração não via razão para manter e defender a instituição imperial como força benéfica unificadora para a nação. O papel de Pedro II em atingir uma era de unidade nacional, estabilidade e bom governo eram agora ignorados e desconsiderados pelas elites dirigentes. Por seu sucesso, o imperador havia tornado sua posição desnecessária.

O republicanismo era um credo elitista que nunca floresceu no Brasil, e que tinha pouco apoio nas províncias. Mas uma ameaça séria à Monarquia foi a combinação de ideias republicanas e a disseminação do Positivismo entre os oficiais de baixa e média patente no exército, o que levou a indisciplina nas tropas. Eles sonhavam com uma república ditatorial que acreditavam ser superior a monarquia democrática liberal.

Os positivistas realizaram um golpe de Estado em 15 de novembro de 1889 e instituíram uma república. As poucas pessoas que presenciaram o acontecimento não perceberam que se tratava de uma rebelião. A historiadora Lídia Besouchet afirmou que "[r]aramente uma revolução havia sido tão minoritária." Durante todo o processo Pedro II não demonstrou qualquer emoção, como se não se importasse com o desenlace. Ele rejeitou todas as sugestões para debelar a rebelião feitas por políticos e militares. Quando soube da notícia de sua deposição, simplesmente comentou: "Se assim é, será minha aposentadoria. Trabalhei demais e estou cansado. Agora vou descansar". Ele e sua família foram mandados para o exílio na Europa, partindo em 17 de novembro.

A república golpista no passado mandou para o exílio um homem honrado e competente, a república de hoje solta, através do STF, políticos bandidos corruptos. REPÚBLICA NO BRASIL É SINÓNIMO DE CANALICE, É CRIATÓRIO DE BANDIDOS.

Surpreendentemente fortes sentimentos de culpa se manifestaram dentre os republicanos, que se tornaram cada vez mais evidentes com a morte do imperador no exílio. Eles elogiavam Pedro II, que era visto como um modelo de ideais republicanos, e a era imperial, que acreditavam que deveria servir de exemplo a ser seguido pela jovem república. No Brasil, as notícias da morte do imperador "despertou um genuíno sentimento de pesar entre aqueles que, embora não simpatizantes da restauração da monarquia, reconheciam tanto os méritos quanto as realizações de seu finado governante."

O imperador Pedro II é considerado por vários historiadores o maior de todos os brasileiros, mas, para muitos brasileiros, o maior de todos os brasileiros é LULA, o maior ladrão brasileiro, o que prova como a honestidade, a moral e os bons costumes no Brasil foi destruído por essa canalha política que se apropriou do poder depois dos militares.

O historiador Richard Graham comentou: "A maior parte dos historiadores do século XX, além disso, têm olhado nostalgicamente para o período [do reinado de Pedro II], usando suas descrições do Império para criticar – às vezes sutilmente, outras vezes nem tanto – os regimes republicanos e ditatoriais subsequentes do Brasil."


QUE PAÍS É ESTE QUE ESTAMOS VIVENDO!


Armando Soares – economista


Resultado de imagem para armando soares

armandoteixeirasoares@gmail.com                                                      

Bolsonaro segue à frente na disputa presidencial mesmo em cenário com Lu...

O Mito Jair Bolsonaro Impressiona ao Fazer Desabafo Épico!!

Cristiano Zanin ataca o “fogo amigo” dos defensores de Lula


Cristiano Zanin abandonou o grupo de WhatsApp dos defensores de Lula...
Ver mais

URGENTE! Enquanto os Generais Dormem em Berço Esplêndido, comunistas se ...

Mais um ato da comédia judiciária lulista


Sepúlveda Pertence pediu para se afastar da defesa de Lula.

A carta em que ele comunica seu afastamento foi entregue ao presidiário e, em seguida, vazada para O Globo...
Ver mais

domingo, 15 de julho de 2018

Resultado de imagem para cartoon cry obamaResultado de imagem para cartoon hillary cry
Obama                                                                                                                           Hillary

Trump quer concorrer à reeleição



Donald Trump disse, em entrevista ao jornal Mail on Sunday, que pretende concorrer à reeleição de 2020.
“Bem, eu pretendo concorrer, sem dúvida. Parece que todo mundo quer que eu faça isso.”

Edição Libertatum \texto Antagonista - Cartoons Internet

MUDA BRASIL!! ���� | MARABÁ/PA #JairPraMudar


/ economia
Por Diversos Autores

Podcast 268 – A cultura do intervencionismo e o dirigismo contratual (An...

Donald Trump e juiz da Suprema Corte americana Anthony Kennedy

Juiz americano Kennedy se aposenta e abre o caminho para a criminalização do aborto nos EUA

Juiz da Suprema Corte Anthony Kennedy pede aposentadoria antes do esperado, dando oportunidade para Trump compor Suprema Corte conservadora e defensora da vida

"Os EUA pagam pela segurança da Europa, chegou a hora da Europa também p...

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

Os 100 dias de cadeia de Lula

Lula está comemorando 100 dias de cadeia.
Nesse período, segundo o Estadão, “o número de manifestantes que mantém a vigília ‘Lula Livre’ no entorno do prédio da PF em Curitiba passou de quase 2 mil por dia para 200 pessoas por semana”.
Daqui a 100 dias, vão sobrar 20 pessoas

Seja família conosco!

sábado, 14 de julho de 2018

URGENTE! – GOVERNO FEDERAL BANCA ABORTISTAS “CATÓLICAS"


Lula, o eterno candidato.

Resultado de imagem para lula deus



"Como é perigoso libertar um povo que prefere a escravidão". (Nicolau Maquiavel)

por Vanderli Camorim


Pelo que sei e desde que o conheci, não pessoalmente é claro, Lula faz campanha. Hoje ele é um preso comum e ocupa uma cela na sede da policia federal em Curitiba tendo um tratamento privilegiado em relação aos outros presos, inclusive os que como ele se aproveitaram do cargo para amealhar vantagens, na expressão da justiça que o condenou.

Mas ele, mesmo condenado por um crime comum, não deixa de ter importância no meio politico que lhe serviu e tem servido de sustentação o que tem causado muita agitação. A todo o momento há um pedido a seu favor, que além de colocar as autoridades em enrascada parecem refletir a concepção que se pode estar preso e gozar ao mesmo tempo de todas as liberdades civis, como entrevistas e propaganda politica.

Os seus seguidores e partidários se contam por todos os lugares como ficou evidenciado na trapalhada em que até membros lotados na suprema corte da justiça deram uma ajuda não muito pequena para coloca-lo livre. Ele é o cara que não sai das noticias do jornal e fonte de muita controvérsia.

Se rastrearmos sua vida iremos dar com a cara em plena ditadura militar. Lula é uma criatura do general Golbery do Couto e Silva, a eminência parda do regime da época, que apostava nele contra a oposição do governo que se avolumava e perigava tomar pra si. Hoje, os que sobraram do velho regime militar renegam esta criação que fugiu do controle. Ninguém que ser o pai da criança.
Entretanto só isso não explica o fenômeno. Lula como operário e líder sindical encarnava também na época o velho sonho dos socialistas. A União Soviética era considerada a fortaleza do socialismo a que todos os partidos dos mais variados países lhes devia obediência incondicional como líder do milênio que se aproximava. Stalin, o líder carismático de nova religião deplorava as lideranças dos partidos comunistas do mundo todo que não possuíam em sua direção autênticos operários e tão somente pequenos burgueses. Com o Lula surgindo naquela atmosfera em que todos já tinham se convencido que por falta de uma autentica liderança a revolução sempre malograra em terras tupiniquins, passou a ser saudado como um achado da providência. Se Lula na época se encaixava no sonho do Golbery, também se encaixava nas recomendações de Stalin e por via indireta nos meios revolucionários brasileiros.Lula então foi santificado e assim levado ao eleitorado. Mas o mundo é mais real que a teoria.

Diz o velho ditado de quem nunca comeu melado quando come se lambuza, se mostrou verdadeiro e é difícil encontrar alguém que direta ou indiretamente não tenha sido cúmplice destes tempos igualmente sombrios que foi seu governo do mesmo modo como foram os outros do qual se pensava se iria escapar. O governo lula se mostrou uma mera repetição dos outros tantos governos anteriores. E o pior é que as próximas eleições tem mostra do que ainda se está longe de se ter aprendido alguma coisa.

Os economistas e os filósofos do iluminismo trouxeram a noção que o governo tem como função garantir a liberdade dos indivíduos para que estes possam colher com segurança o fruto de seu trabalho e não o contrário, colocando obstáculos de toda sorte impedindo, proibindo e restringindo, como a legislação trabalhista, entre outras legislações, que o próprio cidadão persiga os seus objetivo livre de qualquer impedimento por parte do governo.

A esperança e a rivalidade dos eleitores na escolha de seus candidatos de que estes os redimirão do atraso e pobreza tem sido uma prova que a crença no enviado dos céus está longe de perder o seu encanto.

Mas não podemos colocar a culpa nesta falta de compreensão nos governantes que fazem de tudo para agradar os seus eleitores. Os culpados são os intelectuais que aconselham a população agarrados em velhas teorias que consagram que a felicidade e o progresso dos povos é uma dádiva dos governantes e uma outorga do estado elevado a categoria de deus que tudo provê.

A Inglaterra é o berço do liberalismo, a doutrina da liberdade, e seu melhor fruto, a América. Para aì se dirigiram aqueles que perseguidos na Europa, enfrentaram mil perigos para se estabelecerem e cultivarem a vida em liberdade. Foi na América que surgiu o homem livre que nem na Inglaterra fora possível visto as reminiscências do velho regime. A liberdade em esculpir sua própria vida sem impedimento do governo tem o seu maior exemplo no progresso que esta nação conquistou que encheu os olhos até do velho Marx.

Os brasileiros, porem, não tiveram a mesma sorte e nunca conheceram até hoje o significado da liberdade, senão a servil obediência às autoridades que os mantém presos em seus jogos de interesses e anseiam por sua vitória. Ainda hoje se aferram a sua alma de escravo tão bem cultivado pelos sucessivos governos que só diferem entre si pelo grau de despotismo.  Liberdade não é nenhuma utopia, mas tão somente a maneira de viver sem que o governo atrapalhe a busca individual pelo seu bem estar. O escravo só existe onde o empenho livre é proibido.

Lula não é candidato e pelo que diz a justiça, não será neste próximo pleito. Mas não tem muita importância este fato. Nem mesmo tem algo de novo sob o sol do que possa resultar. Todos os candidatos que se emparelham nesta grande corrida pelo cetro de ouro têm as mesmas maneiras de pensar tanto como dos eleitores. Todos eles tem planos maravilhosos para seus súditos modernos que faz lembrar o velho sonho platônico do governante filosofo ou dos que se acompanham deles, o ungido possuidor dos verdadeiros planos que saberá o que melhor assenta a seus governados.Todos cifram esperança que o candidato vencedor ira colocar o Brasil no “rumo certo” - seja lá o que isso quer dizer. Todos cifram esperança no próximo messias ou senhor.

Na Roma antiga as autoridades davam o direito ao escravo que se estivesse insatisfeito pelos maltratos sofridos por seu dono, de escolher um novo senhor. 

E assim será feito.

Vanderli Camorim


A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas, barba, área interna e close-up
vanderlicamorim@ig.com.br

O Brasil não é Capitalista! Ranking de Liberdade Econômica 2018!